Aikido

            Aikido  (em japonês: 合気道, aikidō) é uma arte marcial japonesa desenvolvida pelo mestre Morihei Ueshiba(18831969) – respeitosamente denominado O-Sensei (“Grande Mestre”) permanecendo sob a conduta dos seus sucessores naturais, Kisshomaru Ueshiba (19211999) e Moriteru Ueshiba (1951). Aproximadamente entre os anos de 1930 e 1960, como um compêndio dos seus estudos marciais, filosofia e crenças religiosas surge o que chamamos de Aikido. Ueshiba imaginou o aikido não apenas como uma síntese do seu treino marcial que foi desenvolvendo durante vários anos, mas como uma expressão pessoal da sua filosofia sobre a paz universal e reconciliação O aikido é, freqüentemente, traduzido como “o caminho da unificação (com) da energia vital ou “o caminho do espírito harmonioso”. O objetivo de Ueshiba era criar uma arte em que os seus praticantes pudessem defender-se a si próprios a partir do ataque adversário. O cerne desta arte marcial orbita em torno do uso pragmático da energia num combate, no controlo desse fluxo.

O Aikido utiliza a força do atacante, redirecionando-a, harmonizando com ela ao invés de combatê-la diretamente; para que isso ocorra o praticante deve reduzir ao máximo sua força no contra ataque e sim conduzir o impulso do atacante transformando-o e a partir disso imobilizar ou projetar o oponente sem antes manter uma preocupação com o bem-estar do oponente que deve ser sempre considerada.

Ueshiba concebeu o Aikido a partir da sua experiência com dezenas de artes marciais, mas, principalmente, baseando-se no estilo da escola vetusta do daito-ryu aiki-jujutsu, com sensei Sokaku Takeda, ao qual incorporou técnicas do kenjutsu (técnica da espada) e do jojutsu (técnica do bastão curto). Em 1920, o aikido divergiu-se desse estilo, em parte devido ao envolvimento de Ueshiba com a religião Ōmoto-kyō. Noutra mão, a despeito da origem guerreira, o caráter distintivo reside do modo preciso em não se opor ao adversário, mas, antes de mais, envolvê-lo e utilizar de sua própria agressividade e energia. E, conforme o nome da arte sugere, toda sua prática está intimamente relacionada ao conceito de ki, uma energia vital que flui no corpo humano: o aikido extrapola e faz do controle/harmonização do ki a sua mola mestra, isso claro no estudo do princípio do aiki (relacionado ao kiai), que tem estado presente nas mais diversas disciplinas orientais, o qual pretende resolver uma deficiência não pelo choque mas pela concórdia . Outro importante atributo desta arte é seu apego ao desenvolvimento espiritual.

 

Aikido” escrito com “ki” em antigos caracteres

A palavra “aikidō” é formada por três ideogramas kanji:

  • — ai — unido, unificado, combinado, ajuste
  • — ki — espírito, energia, clima, ânimo, moral
  • —  — sentido, trajecto, caminho

Treino de Aikido

No aikido, assim como em praticamente todas as artes marciais japonesas, o treino é baseado em aspectos físicos e mentais. O treino físico no aikido é diversificado, abrangendo tanto a aptidão e condição física, como preparação e ensaios de técnicas específicas da modalidade. A maioria dos exercícios técnicos do aikido consistem em projeções e/ou arremessos, onde a aprendizagem de métodos de queda são essenciais ao praticante. As técnicas específicas de ataque incluem tanto golpes de punho como em garra, já as técnicas de defesa consistem em projeções, desvios e torções/contusões das articulações do adversário.

Os objetivos do treino físico prosseguidos em conjunto com o aikido incluem o controle da técnica de relaxamento, da resistência e exercícios de preparação para flexibilidade, não sendo enfatizados ensaios com foco ao treinamento de força. No aikido, os movimentos de empurrar e alongar são freqüentemente utilizados em detrimento de movimentos de contração como puxar o oponente. Esta característica pode ser aplicada aos treinos gerais sobre a aptidão física do praticante de aikido.[4]

Nesta arte marcial, diversos músculos são trabalhados, dada a enorme diversidade das técnicas de aikido, melhorando o tônus muscular. Trata-se de uma disciplina que aborda todo um processo educacional para o adestramento da mente, corpo e espírito. O treino de aikido enfatiza a utilização coordenada de movimentos de todo o corpo, assim como do equilíbrio semelhante ao ioga ou pilates. A maioria dos dojo inicia as aulas com exercícios de aquecimento (準備体操, junbi taisō) os quais podem fazer parte os alongamentos e ukemi.

O treino de aikido fundamenta-se principalmente na aplicação de dois parceiros que pratica movimentos pré-determinados (Kata). O padrão base consiste em seqüências de movimentos atacantes por parte do uke (受け, “[corpo] receptor”), o receptor da técnica, que inicia um ataque contra a pessoa que aplica a técnica – o tori (取り, “agarrador”) ou shite (仕手, “executante”) (dependendo do estilo do aikido), também referido como 投げ (nage“atirador”) (quando se aplica uma técnica de arremesso), que neutraliza o ataque com uma técnica de aikido.

Tanto o uke como o nage são considerados elementos essenciais para a prática do aikido. Ambos estudam os princípios do aikido de harmonia e adaptação. O nage deve compreender combinações sobre o controle da energia de ataque, enquanto o uke aprende atributos como serenidade e flexibilidade em situações desvantajosas, em posições instáveis de desequilíbrio comparativamente com o seu oponente. Esta “recepção” da técnica é designada de ukemi. O uke procura continuamente a tomada de posição para o ataque, abordando pontos vulneráveis do nage. Este por sua vez utiliza a posição e o momento adequado para manter o uke em desequilíbrio e vulnerável ao ataque contrário. Em treinos de nível avançado, o uke, aplica por vezes técnicas de reversão (kaeshi-waza返し技) para recuperar o equilíbrio e prender ou arremessar o nage.

Ukemi (受身) refere-se ao ato de receber uma técnica. Um uekemi envolve total atenção da técnica, do parceiro e do ambiente imediato onde o praticante se insere – é um ativo e não um passivo na recepção da técnica. A queda em si é parte integrante do aikido, e é uma forma do profissional auferir, com segurança, o que seria um ataque devastador de arremesso ou impacto.

 

Etiqueta no Aikido

O motivo pelo qual se usa a calça hakama reside no fato de que por suas sete pregas tem-se a representação das sete virtudes do samurai, das quais uma é a etiqueta (respeito), pelo que um aiquidoca deve dar muita atenção à etiqueta, principalmente dentro de um dojô.

O atual Doshu (Do= caminho; Shu= mestre), Moriteru Ueshiba, pratica o Cha No Yu (cerimônia do chá), que é em essência a prática da etiqueta.

Cada dojô tem suas peculiaridades sobre etiquetas e protocolos, mesmo no Japão, mas alguns comportamentos são mais claros a todos japoneses do que aos ocidentais não iniciados:

  • Ao adentrar e ao sair do dojô e do tatame, fazer reverência em direção ao kamiza(altar xintoísta). Quando estiver entrando, a reverência representa seu sentimento de solicitação, de humildade. Quando estiver saindo, representa seu sentimento de gratidão.
  • Ao começar e terminar o treino, fazer reverência em seiza(ajoelhado) ao kamiza e ao shidoin (instrutor).
  • Ao início e ao término da prática a dois, fazer uma reverência ao parceiro de treino. Ao início, pode-se dizer Onegai shimasu(por favor), ou, mais formalmente Onegai itashimasu. Ao término, pode-se dizer Arigatou gozaimashita (muito obrigado), ou, mais formalmente, Domo arigatou gozaimashita.
  • Quando o sensei(mestre) ou shidoin (instrutor) estiver lhe dando orientações, permanecer na posição de seiza (ajoelhado) e após o término, agradecer com uma reverência. Permanecer nessa posição denota humildade para receber os ensinamentos, enquanto permanecer em pé seria como conversar com um colega.
  • Se precisar pedir instruções ao sensei, não o chame. Dirija-se ao senseipara lhe pedir a instrução. Lembre-se que para o samurai o discípulo é quem deve servir a seu mestre.
  • Pague a mensalidade em dia. Aos olhos ocidentais, esta regra pode parecer materialista, mas a mensalidade é uma adaptação moderna do envelope que os discípulos depositavam no kamizaapós o treino, como forma de agradecimento aos ensinamentos passados.
  • Não cruzar os braços dentro do dojo. No Japão, cruzar os braços é um sinal de desavença.
  • Não arregaçar as mangas dentro do dojo. No Japão, arregaçar as mangas é um sinal de desavença. Se não houver jeito, arregaçar as mangas para dentro.
  • Manter o dogi(do = caminho; gi= vestimenta) em ordem. Mantê-lo sempre limpo, bem-passado, com o obi (faixa) alinhado e o paletó adequadamente fechado são sinais de disciplina.
  • Quando estiver no tatame, não apoiar as costas nas paredes. Essa regra existe tanto pela questão disciplinar, quanto pelos aspectos marciais.